Maiores povos indígenas do Brasil

O Dia do Índio (Dia do Índio nasceu em 1940 Congresso Interamericano), 19 de abril, foi criado pelo presidente Getúlio Vargas pelo decreto 5.540 de 1943, está a comemorar os 70 anos desde que a população indígena brasileira triplicou nas últimas duas décadas, passando de 294.000 em 1991-817, 9000, segundo dados do Censo 2010 divulgados em 2012, que consideram tanto os residentes em terras indígenas (demarcadas) quanto os indígenas declarados fora delas.

Talvez muitos não sabem, mas o Brasil está cheio de índios que ainda vivem da cultura de seus povos ancestrais. Muitas tribos vivem longe das cidades, vivem sem eletrodomésticos, móveis, energia elétrica ou qualquer outra tecnologia que sabemos da natureza e tomar tudo o que precisam para o seu sustento e sobrevivência, de alimentos, roupas e objetos, ferramentas para a caça e divertido.
Com um vasto território como a Floresta Amazônica ainda há muitas tribos isoladas, os povos não-contatados, e com base nisso o Brasil ultrapassou a Nova Guiné como o país com o maior número de povos isolados do mundo.

1. Tikuna (Ticuna)

Esta tribo tem cerca de 46.045 índios no país e atualmente mora na fronteira entre Peru e Brasil. De acordo com a história oral relatada pelo Ticuna, eles eram índios que habitavam a terra e as cabeceiras dos córregos. Eles viviam em constante guerra com outras tribos e aldeias Ticuna. Os primeiros contatos com os não índios datam do final do século XVII, quando jesuítas espanhóis do Peru, liderados pelo Padre Samuel Fritz, começaram a fundar várias aldeias ao longo do rio Solimões, esses assentamentos que correspondem aos municípios atuais de São Paulo de Olivença, Amaturá , Fonte Boa e Tefé.

2. Guarani Kaiowá (Guarani)

Com cerca de 43.401 índios, os Guarani são um dos grupos étnicos mais documentado de todos os tempos e um dos grupos indígenas mais representativas nas Américas. Seus territórios tradicionais ocupam uma ampla região da América do Sul que abrange Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai ea porção centro-sul do território brasileiro. Eles são chamados de pessoas (plural), porque sua grande população é dividida em diversos subgrupos étnicos e cada um tem dialeto específico, cultural e cosmológica, diferenciando assim a sua maneira de ser do Guarani também.

3. Caingang (Kaingang, Kanhgág, Guayanas, Coroados, bugres, botocudos, Camés E xoclengues)

Os caingangues são um povo indígena do sul do Brasil. Sua cultura desenvolveu à sombra de pinheiros (Araucaria brasiliensis). Há pelo menos dois séculos, sua extensão territorial compreende a área entre o Rio Tietê (São Paulo) e Ijuí River (norte do Rio Grande do Sul). Atualmente, cerca de trinta caingangues ocupam pequenas áreas, distribuídas ao longo do seu antigo território no sul do estado brasileiro de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com uma população de aproximadamente 37.470 índios.

4. Makuxi

Totalizando cerca de 28.912 índios e indígenas ocupam uma vasta área (um milhão e 678 mil hectares), no norte da Amazônia e Roraima estado, perto da fronteira com a Guiana. Eles estão espalhados por várias comunidades, longos contatos sedentários e familiares com os brancos, que se dedicam à agricultura e à pecuária. Habitantes de uma região de fronteira, os Macuxi estão enfrentando pelo menos desde o século XVIII, situações adversas por causa da ocupação não-indígena na região - principalmente por migrações e assentamentos forçados, então, avançando frentes extrativistas e pecuaristas e, mais recentemente, pela presença dos mineiros e a proliferação de grileiros em suas terras.

5. Terena

Os Terena são um grupo indígena brasileiro, composto por cerca de 28.845 índios que possuem a cultura de plantio e têm um grande grau de integração com a sociedade envolvente. Vivem principalmente no estado de Mato Grosso do Sul (Áreas Indígenas Aldeinha, Buriti, Golden, Lalima, Limão Verde, Nioaque, Pilade Rebuá, Taunay / Ipegue e Terras Indígenas Água Limpa e Cachoeirinha, a oeste da Reserva Indígena Kadiwéu na Área Indígena Umutina Miranda e leste do rio). Eles também podem ser encontradas no interior do estado brasileiro de São Paulo (Áreas Indígenas Araribá e Icatu). Além disso, encontram-se ainda na parte superior esquerda do rio Paraguai, Mato Grosso e no norte deste estado.

6. Guajajara (Teneteara ou Tenetehára)

Os Guajajaras habitam terras indígenas onze, na margem oriental da Amazônia, todas situadas no Maranhão e sua população chega a aproximadamente 24.428 índios. Sua história de mais de 380 anos de contato foi marcada tanto por aproximações com os brancos como por recusas totais submissões, revoltas e grandes tragédias. A revolta de 1901 contra os missionários capuchinhos teve como resposta a última "guerra contra os índios" na história do Brasil. Eles também eram conhecidos por muitas pessoas como a "tigela de aço" brasileiro para fazer excelentes ferramentas para o trabalho.

7. Yanomami

Os índios Yanomami estão habitando o Brasil ea Venezuela. No Brasil existem cerca de 21.982 índios Yanomami e aldeias ocupam a grande região montanhosa da fronteira com a Venezuela em uma área de 9.419.108 hectares contínuos. A grande invasão do território ianomâmi prospecção ocorreu no período 1987-1992, em que um número estimado de 1.500 mortes ocorram entre essa população indígena. A terra indígena Yanomami foi aprovado em 25 de Maio de 1992.

8. Potiguara

Os potiguaras ("comedores caramão") são um grupo indígena que habita os estados costeiros da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, quando os povos europeus portugueses e outros chegaram ao Brasil e hoje cerca de 20.554 índios número. Hoje eles vivem no estado brasileiro do norte do Paraíba, ao longo da fronteira das cidades de Rio Tinto, Baía da Traição e Mark (no Potiguara Indígena, Indígena Jacaré de São Domingos e Indígena Potiguara de Monte-Mor) e no Ceará, nos municípios de Crateús (no Monte Nebo Indígena); Monsenhor Tabosa e Tamboril (Terra Indígena Potigatapuia (Mundo Novo e Viração ou Serra das Matas). Vários descendentes da tribo dos potiguares adotada, a ser submetido ao batismo cristão, o sobrenome Camarão.

9. Xavante

Os Xavante são um grupo indígena que habita o estado oriental de Mato Grosso. Atualmente, sua população é de 19.259 pessoas e crescendo. A'wê Uptabi chamam a si mesmos, o que significa "pessoas reais". A pintura com jenipapo, carvão e urucum, tomar as sobrancelhas e cílios, use cordas nos pulsos e pernas e gravata algodão cerimonial. O corte de cabelo e os adornos e pinturas são marcadores de diferença Xavante em relação aos outros, transmitida através dos cantos pelos ancestrais e partilhados com todo o povo da aldeia.

10. Pataxó
Two Pataxo indians (Brasília, 04 April 2006).jpeg
Os pataxós são um povo indígena com cerca de 13.588 pessoas e índios são típicos da América do Sul apesar de se expressar em Inglês, alguns grupos conservam a sua língua original, ensinando-o aos mais novos. Em 1990, os Pataxó eram cerca de 1600. Eles vivem principalmente no Indígena Barra Velha do Monte Pascoal, ao sul da cidade de Porto Seguro, a menos de uma milha da costa, entre a foz dos rios Caraíva e Corumbau. O território entre os dois rios, o mar de leste a oeste e Monte Pascoal é reconhecido por Pataxó como suas terras tradicionais. Eles cobrem uma área de 20.000 hectares.

11. Sateré-Mawé
População: 13.310 índios.

12. Munduruku
População: 13.103 índios.


Acorde o índio em você!

Fonte: ibge.gov.br e blog.maisestudo.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...